" Rosa Antuña exemplifica o sentido mais pleno de uma espécie de beleza." / "Rosa Antuña exemplifies the fullest sense of beauty." O Estado de São Paulo

" Mais que bailarina, uma artista em plenitude." / "More than a dancer, an artist in plenitude."
Hoje em Dia - Belo Horizonte, MG

“ Vale salientar o refinamento de Rosa Antuña, que também fala, canta e toca instrumentos, habilidades que se somam para projetá-la entre as melhores bailarinas do País.” / "It is noteworthy to point out the refinement of Rosa Antuña, who speaks, sings and plays instruments, skills that combine to project her amongst the best dancers within the country."
O Estado de São Paulo

Páginas

Próximas apresentações/ Next presentations

PARIS:

- 9 de junho, às 18:00hs – “O Vestido” – Festival Dança em Trânsito - Centre Les Récolletes, Jardin interieur 150-154 rue du Fauburg, Saint-Martin – Paris, França

- 10 de junho, às 21:30hs – “O Vestido” – Festival Dança em Trânsito – Point Éphémère 200 Quai de Valmy - Paris, França

domingo, 5 de abril de 2015

Sinopse - A Mulher que Cuspiu a Maçã

A Mulher que Cuspiu a Maçã, dirigido por Roberta Carreri, encerra a "Trilogia do Feminino", de Rosa Antuña, que teve como primeiro trabalho o solo "Mulher Selvagem" com estreia em 2010 e em seguida o solo "O Vestido" com estreia em 2013.
A obra traz profundas questões do feminino e escancara frustrações, decepções, padrões e mazelas que caminham com as mulheres ao longo do desenvolvimento de sua história na humanidade.

É um espetáculo híbrido de dança, teatro, performance e sonoridades vocais, continuidade da pesquisa que Rosa Antuña vem desenvolvendo desde 2003.

fotógrafa: Duda Las Casas

Nenhum comentário:

Postar um comentário